Categorias









Artigos » Sociedade

Banif - a "força de acreditar"



Fartos de tanta vigarice

 
 
Portugal é um  país tão fantástico e onde se passam coisas tão extraordinárias que não admira que os portugueses leiam pouco; o que os governantes fazem, proporciona muita diversão. Infelizmente para alguns, para aqueles que são as vítimas, é mais a tragédia.
 
Os bancos, pelo menos em Portugal, estão no topo da vigarice. Mas não há nenhum problema. Podem roubar, espoliar, emprestar dinheiro aos amigos que nunca pagarão, que sempre estará lá o contribuinte para os amparar. E ninguém é responsabilizado criminalmente.
 
Mas, se uma mãe com 3 filhos ficar desempregada, esses mesmos bancos põem a mulher e as crianças a dormir na rua em três tempos. Ou seja, enquanto esteve empregada, a senhora pagou impostos para sustentar essa gente; quando ficou desempregada, aqueles que andaram a viver à custa dela põem a família a dormir na rua.
 
Note-se bem que isto só acontece porque a legislação permite. E toda a legislação tem origem na Assembleia da República ou no Governo. Portanto, é fácil ver quem é culpado desta situação inacreditável.
 
Ninguém deixa de pagar a casa a menos que não possa e mesmo que houvesse algum engraçado que se aproveitasse da situação caso a legislação fosse diferente, a apreciação por um juiz em cada caso concreto permitiria separar os factos.
 
E essa legislação deveria existir. Os bancos (em Portugal, reconhecidamente dirigidos por pessoas "responsáveis") não deviam ter o poder de desalojar o cliente da casa de família, se vítima de desemprego, sem a apreciação no caso concreto por um juiz de um tribunal judicial. Era quanto bastava para se acabar com esta vergonha que já dura há dezenas de anos.
 
Curiosamente temos atualmente em Portugal um governo de esquerda. Mas não ouvi nada sobre este assunto.


Print Friendly and PDF












Fonte:    2015-12-18