Categorias









Artigos » Sociedade

Portugal forma arquitetos para depois os pôr a carregar sal



De acordo com notícias do Diário de Coimbra, uma jovem arquiteta de nome Cilda, à falta de emprego na sua área, decidiu ir trabalhar para as salinas da Figueira da Foz, distrito de Coimbra, em Portugal.
 
Vocês conhecem algum outro país que forme arquitectos para depois estes irem fazer sal,  (passe a expressão)? 
 
Pois talvez haja, certamente haverá, pois partindo do princípio que a estupidez humana é infinita não espantará que haja, mas uma coisa ninguém nos tira a nós portugueses, que é um lugar bem firme na cauda da União Europeia.
 
E com o desperdício dos recursos públicos como este exemplo demonstra, nem admira! Sabem quanto ganha em média um sueco? 40 euros por hora. E um português?12, para os mais sortudos. 
 
Com a organização politica que temos, percebe-se melhor esta triste realidade (que o Estado invista 5 a 6 anos na graduação de arquitetos, para depois o pôr a encher cestos de sal).
 
Mas se pensa que os governantes portugueses não conseguem fazer pior, está enganado; no caso dos engenheiros, o Estado forma-os (com o dinheiro dos contribuintes) e uma vez licenciados, incentiva-os a procurar trabalho na Alemanha, que obviamente agradece.
 
Para tornar tudo isto ainda mais trágico, percebe-se através de eleições e sondagens que mais de 70% da população apoia os partidos que gerem o país assim. E que os outros cerca de 30% vota em partidos que não querem governar (a esquerda caviar, a esquerda "lágrimas de crocodilo", a esquerda das "causas fraturantes" e por aí fora).
 
Como diria Vasco Pulido Valente, Portugal não se recomenda.
 


Print Friendly and PDF












Fonte:    2014-08-08